Joia do Palmeiras, jogador potiguar busca se firmar para honrar o nome do pai

Conquistando cada vez mais espaço no time do Palmeiras, o meia Fabinho, de 19 anos e natural de Natal/RN, além de busca marcar seu nome no mundo do futebol, tem uma idéia bem fixa na cabeça: honrar o nome do pai, que faleceu em outubro do ano passado e a quem prometeu dar muito orgulho.

Militar da Marinha, Flávio Silva morreu há seis meses, vítima de um acidente vascular cerebral. Ele foi um dos maiores incentivadores da carreira do filho, principalmente quando saíram da capital potiguar para morar em São Paulo, em 2011. Foi na capital paulista que Fabinho começou a trilhar o caminho do futebol. Iniciou em uma escolinha em Osasco, depois passou pela Portuguesa e, em 2015, chegou ao Verdão para participar do programa de intercâmbio com o futsal, no qual se tornou campeão metropolitano e estadual na categoria sub-14 no ano posterior.

O pai que o acompanhava em treinos e jogos não teve a oportunidade de ver Fabinho fazer o seu primeiro jogo como profissional no clássico com o Corinthians, no dia 3 de março, no empate em 2 a 2. Também não viu o filho estrear como titular no duelo contra o Mirassol, no último dia 25, com boa atuação apesar da derrota por 2 a 1.

“Nós acabamos nos dedicando muito a ele [Fabinho]. Eu, como autônoma, ficava responsável por levar ele aos treinos, mas o pai esteve muito presente. Sempre participante. Agora, para nós, tem sido um momento com misto de alegria pelo Fabinho e tristeza pelo falecimento do pai dele. Porque ele acompanhou de perto e não teve a chance de curtir esse momento. Mas Deus sabe de tudo, e o Fabinho precisa aproveitar cada oportunidade que tiver”, disse a mãe Geysa Freitas, de 47 anos, em entrevista ao UOL Esporte.

Fonte: UOL ESPORTES